6 de novembro de 2013

Patrulha do Espaço. O que aconteceu com o Rock nacional mesmo?!?!



Nesse post, vou colocar "Ipsis Litteris" o post de um amigo, o Fabiano Oliveira (página Rock Nacional do facebook). E vai ser dessa maneira porque o texto é simplesmente muito bem escrito e não tenho um "A" para adicionar. Muito obrigado Fabiano pela autorização. Abraços a todos!

"Patrulha do Espaço - Patrulha Independente (Baratos Afins) - 1982 Falar que o Patrulha do Espaço é uma banda da pesada pode até soar meio redundante, mas o fato é que trata-se da mais pura verdade. É evidente que essa é sua principal característica (em toda a sua carreira) e o que mais nos faz amar esse patrimônio da nossa música. Claro, há de se comentar também que a excelência musical de todos da banda também é um ponto inquestionável. Após a experiência muito bem sucedida dos dois álbuns anteriores e dos inúmeros shows e festivais em que participaram até então, esse terceiro álbum veio mostrar que a inspiração e o talento para criar novos temas não havia diminuído, muito pelo contrário, a banda se mostrou ainda mais entrosada, madura e segura do som que deveriam apresentar aos fãs. Patrulha apresenta um som rápido, direto e sem rodeios, com a mais pura convicção do que deveria ser um clássico do Rock N Roll. Assim como nos trabalhos anteriores, esse terceiro disco também foi editado num volume altíssimo e com aquele brilho especial que somente o Patrulha do Espaço poderia oferecer naquele momento. Um som sutil e pesado ao mesmo tempo, com muita harmonia, diga-se de passagem. A faixa “Columbia” recebeu a incumbência de abrir o álbum e parece ter sido uma ótima escolha, afinal é uma composição incrível, umas das mais legais de toda a obra do Patrulha do Espaço. Na sequência, mais dois petardos “Bomba” e “Jeito Agressivo”. A primeira, um Rock básico mas com energia de sobra, iniciada com a bela levada de bateria do magnífico Rolando Castello Junior. Já a segunda, um blues ácido e imensamente contagiante, com boas doses de virtuosismo, especialmente nos solos de guitarra de Dudu Chermont. “Festa de Rock” acabou sendo um dos destaques do álbum e não é para menos, pois é uma verdadeira celebração ao Rock e as suas festas, sempre muito animadas e divertidas. “Cão Vadio” e “Transcendental” são Hard Rock por excelência, porém, os maiores destaques (ou as mais curiosas, se preferirem) são as releituras de “Mar Metálico” do Lírio de Vidro (até então inédita) e “Meus 26 Anos” do Joelho de Porco, que conseguiu a proeza de ser ainda mais “porrada” do que a original. De uma forma resumida, o disco Patrulha é um grande exemplo que a música simples e certeira, em muitas vezes, é o melhor caminho. Invariavelmente, quem ama o Rock não consegue resistir a um som assim, com a pegada firme e consistente desse estilo musical. Nem mesmo o pessoal do Van Halen e sua produção, que piraram no som do Patrulha do Espaço e exigiram que a banda abrisse suas apresentações em São Paulo, na turnê brasileira de 1983. Inesquecível!! Aqui o Patrulha do Espaço atingia o seu apogeu e confirmava o seu nome na lista dos gigantes do Rock Brasileiro, ou por que não dizer, do Rock Mundial."


Pois é... 
Existem sim coisas boas ainda hoje, mas que esse pessoal dá saudade daquela época, dá...

Um comentário:

Fabiano disse...


Obrigado pelo crédito amigo!!

O seu belo blog fez com que o texto fizesse ainda mais sentido.

Parabéns!!

Grande abraço!!

FABIANO OLIVEIRA