25 de dezembro de 2013

Ben Harper with Charlie Musselwhite - Get Up!


Para finalizar bem o ano de 2013, nada mais nada menos que um álbum de Ben Harper com o grande bluesman e gaitista Charlie Musselwhite. Produzido pelo próprio Ben Harper, a qualidade ficou muito boa. Eu adoro essas combinações inesperadas. Acho que isso dá um gosto especial à música. Gosto, cheiro, cor, etc... 

Ainda mais tratando-se de dois grandes nomes como nesse caso e no da última postagem! Pra completar com chave de ouro, dedicam o álbum a Solomon Burke e John Lee Hooker. Demais. Obrigatório! Ouçam agora mesmo!!! 

Abraços e até o ano que vem!!!!

Billie Joe + Norah - Foreverly


Qualquer semelhança com Everly Brothers pode não ser mera coincidência, já que em 1958 eles fizeram um álbum chamado "Songs Our Daddy Taught Us", mostrando o quanto esses irmãos conseguiam cantar em perfeita harmonia. 

Em nome da tradição e do folclore, Billie Joe, do querido Green Day se juntou a Norah Jones durante nove dias em NY para gravar esse álbum. 

Inusitado. Bom. Vale a pena. Conheçam. 

FELIZ NATAL!!


Feliz Natal a todos os frequentadores desse blog, que vem, ao longo de seus quase 6 anos, indicando sons de qualidade, bandas esquecidas, shows memoráveis, criticando, elogiando, etc... 

Espero que continuem visitando e curtindo!! 

Gande abraço!!!

7 de dezembro de 2013

Os Mutantes


Na sequencia de "O que aconteceu com o Rock Nacional mesmo??":

Banda brasileira de rock psicodélico formada durante o Tropicalismo no ano de 1966, em São Paulo, por Arnaldo Baptista (baixo, teclado e vocais), Rita Lee (vocais) e Sérgio Dias (guitarra, baixo e vocais). Também participaram do grupo Liminha (baixista) e Dinho Leme (bateria).

A banda é considerada um dos principais grupos do rock brasileiro. Assim como grande parte dos grupos dos anos de 1960, Os Mutantes foram fortemente influenciados por The Beatles, adotando inúmeros elementos musicais da banda britânica. No entanto, os músicos brasileiros eram também mergulhados em sua cultura local, exercendo sua própria criatividade na utilização de feedback, distorção e truques de estúdio de todos os tipos, assim como era feito pelo quarteto de Liverpool e pelo grupo The Beach Boys. Nesse sentido, os Mutantes foram pioneiros na mescla do Rock ‘N’ Roll com elementos musicais e temáticos brasileiros. Outra característica do grupo era a irreverência. Pois como Os Mutantes, passou a existir uma espécie de mistura da música estrangeira com a brasileira e a adição de novas idéias, com doses de experimentalismo, abrindo, assim, o caminho para o hibridismo musical.

Iniciaram suas atividades em 1966, como um trio, quando se apresentaram no programa "O Pequeno Mundo de Ronnie Von", na TV Record. O grupo foi batizado como Mutantes pelo próprio Ronnie Von, antes da estréia na TV. O grupo até então chamava-se Os Bruxos e a sugestão veio do livro "O Império dos Mutantes", de Stefan Wul, que Ronnie estava lendo na época. O grupo logo se tornou um dos principais expoentes da nova MPB influenciada pela Tropicália até terminar em 1978 com apenas Sérgio Dias como integrante original. Ao longo destes doze anos, foram gravados nove álbuns - sendo que dois deles, O A e o Z e Tecnicolor, foram lançados apenas na década de 1990. Foi nessa década que foi reconhecida no cenário do rock nacional e internacional a importância dos Mutantes como um dos grupos mais criativos, dinâmicos, radicais e talentosos da era psicodélica e da história da música mundial.

Em 2006, a banda se reuniu, sem Rita Lee ou Liminha, mas contando com a presença de Arnaldo Baptista e com Zélia Duncan nos vocais. No ano seguinte, Arnaldo e Zélia se desligaram da banda, que foi recomposta com outros músicos e continua a fazer shows sob a liderança de Sérgio Dias, único membro restante da formação original.

E com isso, fica registrada uma breve(íssima) biografia dessa icônica banda nacional.

Abraços a todos.

6 de novembro de 2013

Patrulha do Espaço. O que aconteceu com o Rock nacional mesmo?!?!



Nesse post, vou colocar "Ipsis Litteris" o post de um amigo, o Fabiano Oliveira (página Rock Nacional do facebook). E vai ser dessa maneira porque o texto é simplesmente muito bem escrito e não tenho um "A" para adicionar. Muito obrigado Fabiano pela autorização. Abraços a todos!

"Patrulha do Espaço - Patrulha Independente (Baratos Afins) - 1982 Falar que o Patrulha do Espaço é uma banda da pesada pode até soar meio redundante, mas o fato é que trata-se da mais pura verdade. É evidente que essa é sua principal característica (em toda a sua carreira) e o que mais nos faz amar esse patrimônio da nossa música. Claro, há de se comentar também que a excelência musical de todos da banda também é um ponto inquestionável. Após a experiência muito bem sucedida dos dois álbuns anteriores e dos inúmeros shows e festivais em que participaram até então, esse terceiro álbum veio mostrar que a inspiração e o talento para criar novos temas não havia diminuído, muito pelo contrário, a banda se mostrou ainda mais entrosada, madura e segura do som que deveriam apresentar aos fãs. Patrulha apresenta um som rápido, direto e sem rodeios, com a mais pura convicção do que deveria ser um clássico do Rock N Roll. Assim como nos trabalhos anteriores, esse terceiro disco também foi editado num volume altíssimo e com aquele brilho especial que somente o Patrulha do Espaço poderia oferecer naquele momento. Um som sutil e pesado ao mesmo tempo, com muita harmonia, diga-se de passagem. A faixa “Columbia” recebeu a incumbência de abrir o álbum e parece ter sido uma ótima escolha, afinal é uma composição incrível, umas das mais legais de toda a obra do Patrulha do Espaço. Na sequência, mais dois petardos “Bomba” e “Jeito Agressivo”. A primeira, um Rock básico mas com energia de sobra, iniciada com a bela levada de bateria do magnífico Rolando Castello Junior. Já a segunda, um blues ácido e imensamente contagiante, com boas doses de virtuosismo, especialmente nos solos de guitarra de Dudu Chermont. “Festa de Rock” acabou sendo um dos destaques do álbum e não é para menos, pois é uma verdadeira celebração ao Rock e as suas festas, sempre muito animadas e divertidas. “Cão Vadio” e “Transcendental” são Hard Rock por excelência, porém, os maiores destaques (ou as mais curiosas, se preferirem) são as releituras de “Mar Metálico” do Lírio de Vidro (até então inédita) e “Meus 26 Anos” do Joelho de Porco, que conseguiu a proeza de ser ainda mais “porrada” do que a original. De uma forma resumida, o disco Patrulha é um grande exemplo que a música simples e certeira, em muitas vezes, é o melhor caminho. Invariavelmente, quem ama o Rock não consegue resistir a um som assim, com a pegada firme e consistente desse estilo musical. Nem mesmo o pessoal do Van Halen e sua produção, que piraram no som do Patrulha do Espaço e exigiram que a banda abrisse suas apresentações em São Paulo, na turnê brasileira de 1983. Inesquecível!! Aqui o Patrulha do Espaço atingia o seu apogeu e confirmava o seu nome na lista dos gigantes do Rock Brasileiro, ou por que não dizer, do Rock Mundial."


Pois é... 
Existem sim coisas boas ainda hoje, mas que esse pessoal dá saudade daquela época, dá...

28 de outubro de 2013

Lou Reed (Lewis Allan Reed) - NY, USA - 02/03/1942 - 27/10/2013 - R.I.P.


E assim, meio que do nada, 2013 leva mais uma lenda do Rock mundial. 
E com ele vai uma grande quantidade de quebras de barreiras e inovações! 

Se eu fosse escrever sobre Lou Reed aqui daria pra passar umas boas horas resumindo sobre ele... Portanto meus queridos, se não conhecem o som dele ou do Velvet Underground (pelo menos), corram atrás. É bom, é original, é Rock de qualidade!! 

Leiam sobre sua carreira, vale a pena e acrescenta muito à sua cultura musical. Lou, vá com Deus!! 

Abraços a todos.

20 de outubro de 2013

Você acha que sabe tudo sobre Rock? Rockadrome...


Se você acha que sabe tudo sobre música e não tem mais nada para conhecer, entre no site ROCKADROME e sinta-se um completo ignorante musical!!! Tem muita coisa boa para vender, inclusive LP e Cassete (sim, K7)... Vale a pena "perder um tempo"...

www.rockadrome.com

28 de julho de 2013

J. J. Cale - R.I.P.


E os bons vão indo embora... Estamos todos ficando velhos. 

Que bom que o legado que ele deixou é simplesmente excelente! 

Nada mais a declarar! 

Surely, one of the bests. 

Rest in Peace.

16 de junho de 2013

Considerações...


Bom, lá vem eu falando que "depois de não sei quanto tempo, estou de volta!". Pois é isso mesmo!

Fui viajar. 
Berlin, Praga, Munique, Salzburg, Vienna e Budapeste. Depois desse roteiro, poderia muito bem criar um Blog sobre música clássica, tal é a presença constante desse nobre gênero nos países visitados! 

Podemos ver nos músicos e até mesmo no povo, uma cultura musical muito superior à do brasileiro. Tudo bem (!). A diferença que ouvimos e sentimos quando estamos na sala da Filarmônica de Berlin é algo surpreendente. Ouvir o silêncio ganhou um novo significado para mim depois daquela audição. Qualidade musical absurda, músicos excelentes, instrumentos lindos e um som cristalino e cheio de emoção. 

Recomendo fortemente para qualquer pessoa que vá visitar Berlin um dia.

Não ter cultura para entender, ouvir ou para pelo menos apreciar música clássica, tudo bem. Agora, escutar esse tipo de lixo musical chamado ''Sertanejo Universitário'' também é demais. E o pior que quem ouve não se contenta em ouvir só pra ele. Parece que fazem questão de que todo o mundo saiba que ele gosta desse "estilo de música", ouvindo essa m.... num volume absurdo! Fala sério... 

Músicas extremamente vazias, pseudo-artistas que mal sabem tocar o violão ou qualquer instrumento, suas vozes são desafinadas e extremamente "maquiadas" com software, as letras (daria para escrever um post só sobre isso, mas não vou dar tal importância!) terríveis e surrealmente repetitivas, entre outros vários aspectos que poderia aqui citar mas não vou me estender tanto.

Enfim, queridos leitores, desculpem o desabafo, mas não sei onde vai parar o gosto da música popular brasileira, já que a mesma encontra-se em franca decadência. Para um país que tem Almir Sater, Sérgio Reis, Renato Teixeira e outros tantos como representantes EXCELENTES da verdadeira música sertaneja, dá pena de ver onde a coisa foi parar...

Espero que o "bom gosto" melhore!!!

Abraços a todos!!

10 de abril de 2013

Mountain e o seu primeiro álbum.


Bom, dessa vez eu vou fazer um post um pouco diferente. Ao invés de dizer o que eu acho da banda, vou apenas dar uma informação básica e deixar as opiniões com vocês... 

Eu particularmente acho esse primeiro álbum (Climbing!) de 1970, demais! 

Abraços e speak-up!!

Banda de Blues-rock/Hard-rock americana formada em 1969 pelo guitarrista Leslie West e pelo produtor do Cream, o baixista Felix Pappalardi.

O trio era formado por Leslie West na guitarra, Felix Pappalardi no baixo e Corky Laing na bateria. O vocal cru de West, a bateria fluente de Laing e o baixo pesado de Pappalardi formavam o som distinto do Mountain.

A banda se apresentou no Festival de Woodstock, mas, não foi incluída no filme ou na trilha sonora. O Moutain recebeu certa aclamação da crítica, mas, nunca conseguiu alcançar sucesso comercial (Ah vá...). A faixa título de seu álbum Nantucket Sleighrid foi usada como tema do programa britânico Weekend World, transmitido entre 1972 e 1986. O Mountain tocava em alto volume, o que acabou prejudicando o ouvido de Felix Pappalardi.

Entre 1972 e 1974 Leslie West e Corky Laing, juntamente com o baixista Jack Bruce, formaram um power trio - West, Bruce & Laing - e lançaram três álbuns (Why Dontcha, Whatever Turns You On e Live 'N' Kickin').

A banda, atualmente, lança trabalhos esporádicos e excursiona pelos Estados Unidos.

7 de abril de 2013

5º Aniversário do Blog! Felicidades e que seu pai não seja tão ausente!!!



Finalmente apareço para dar o "ar da graça" ao meu Blog!!! 
E não poderia ter uma data melhor do que o seu 5º aniversário. 
Apesar de minha vida andar muito corrida, sempre que posso, deixo alguma postagem por aqui. 

Começei oferecendo os downloads, depois, não pude mais. Ficaram só as dicas e notícias!!! Espero que eu tenha um pouco mais de tempo para passar por aqui e deixar muito mais coisas interessantes para todo mundo. 

Um grande abraço mais uma vez a todos que por aqui passam e deixam suas opiniões, críticas, etc... 

"Long Live Rock 'N' Roll!"

10 de fevereiro de 2013

Leaf Hound - Mais uma das "esquecidas setentistas"



Uma pena algumas bandas terem ficado tão esquecidas ou mesmo não terem nem mesmo sido conhecidas... Por outro lado, fica aquele clima de caça ao tesouro e quando ouve-se um som "diferente mas da família", a gratificação é muito boa! Essa banda tem uma pegada muito legal e, com certeza, vale a pena ser ouvida. 

Originalmente formada em 1969 com o nome de "Black Cat Bones", que em suas primeiras formações incluiam o guitarrista Paul Kossof e o batera Simon Kirke, que depois sairam para formar o Free. Logo depois de produzirem o primeiro álbum (Barbed Wire Sandwich) pela Decca, trocaram de vocalista, colocando Peter French no line-up. Logo, o guitarrista Rod Price deixou a banda para integrar o Foghat, quando French colocou seu primo Mick Halls na guitarra. Foi quando mudaram seu nome para Leaf Hound, que tinha a seguinte formação: Peter French nos vocais, Mick Halls na guitarra, Derek Brooks e Stuart Brooks na guitarra e no baixo, respectivamente e Keith George-Young na bateria. 

"Growers...' foi gravado em Londres, em 1970. Logo depois os irmãos Brooks abandonam a banda e entra Ron Thomas no baixo, excursionando pela Europa como uma banda de 4 integrantes, lançando o álbum na Alemanha, em Telefunken. Esse lançamento ocorreu pouco depois de Peter French deixar a banda para se juntar ao Atomic Rooster para o álbum In Hearing Of. French também viria a integrar a banda de hard rock americana Cactus. 

Esse álbum acabou se tornando um ítem de colecionador e foi até considerado o álbum de Rock mais querido para colecionar pela revista Q Magazine. 

Deu pra perceber a "ligaçãozinha" entre grandes bandas dos anos 70??

Não deixem de escutar. 

4 de janeiro de 2013

Halestorm - Hard Rock moderno com inspiração




Lzzy Hale é a vocalista e guitarrista base da banda. Foi cantar para as audiências da Pensilvânia central desde que começou seu romance com a música aos 13 anos. Com suas várias habilidades vocais ao lado de sua guitarra e seu teclado, está determinada a fazer da música sua vida e carreira. Entre suas influências, nomes como Heart, Metallica, Led Zeppelin, Sevendust, Pat Benatar e Alice In Chains. Seu objetivo, com a ajuda de seus parceiros, Joe, Josh e Arejay, é criar uma nova onda do rock, e agitar o gênero!

Joe é o guitarrista solo, nasceu em Wisconsin e viveu lá até que tinha 13 anos. Foi nesse clima congelado que ele descobriu o rock e a guitarra. Depois de ter vivido na Inglaterra por um ano, ele se mudou para Filadélfia, onde finalmente, no verão de 2003, encontrou com seus parceiros musicais Lzzy e Arejay. Ele enumera os Beatles, Jeff Buckley, Sigur Ros, Radiohead, Soundgarden, Incubus como apenas algumas de suas principais influências.

Arejay é irmão de Lzzy e o baterista da banda. Com 5 anos de idade, recebeu sua primeira série de bateria profissional, ele sabia imediatamente o que queria fazer. Sua maior influência era seu pai, um baixista significativo em sua época, que lhe ensinou muito sobre música e sobre o negócio da música. Entre suas influências, estão John Bonham e Ringo Starr, Shannon Larkin (Godsmack), Spag (Mudvayne), Pastillas Jose (Incubus), Uestlove (The Roots), Terry Bozzio, Chuck Treece, e Rose Morgan. Mas há muitas influências em sua enorme "Melting Pot", para listar todos eles!!

Josh é baixista e backing vocal. Nascido em Willow Grove, é o responsável em levar a harmonia para o Halestorm. Suas bandas favoritas são The Beatles e suas companheiras clássicas, Radiohead, Ben Folds e Jay-Z.

Apesar de os irmãos Lzzy Hale e Arejay Hale terem formado a banda em 1997, quando tinham 13 e 10 anos respectivamente, foi só em 2009 que gravaram o primeiro álbum, "Halestorm" e em 2012 o segundo trabalho, "The Strange Case Of...". Muito boa a voz e o som é bem organizadinho. 

Gostei. Vale a pena ouvir a molecada!!